Moisés Silva: “sempre acreditei que quem estuda passa”

Moisés Silva: “sempre acreditei que quem estuda passa”

Natural de Viana, no Maranhão, Moisés Silva, 32 anos, é bacharel em segurança pública e pós-graduado em gestão pública. Atualmente, ele mora em Palmas, no Tocantins, e cursa graduação em Direito.

O ingresso no mundo dos concursos começou em 2002, quando ele foi aprovado no certame da Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará (EAMCE) e da Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante (EFOMM). Em 2003, ele foi aprovado no concurso da Escola de Sargentos das Armas do Exército Brasileiro (ESA). E em 2006, foi aprovado no concurso para o Curso de Formação de Oficiais da Polícia Militar (CFO). Este era apenas o início de uma trajetória de sucesso e muita determinação.

Em 2013, foi a vez de tentar um concurso para o cargo de analista administrativo. Moisés se inscreveu no concurso do Ministério Público do Maranhão (MPE-MA) e o resultado não foi diferente: aprovado. Mesmo assim, ele não parou por aí. Em 2015, foi aprovado para analista judiciário da área administrativa no concurso do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA). Moisés ressalta que apesar de tantas conquistas, ele também teve algumas reprovações em certames.

“No processo de preparação sempre tive que aliar família, trabalho e estudo. Meus momentos de lazer foram forçosamente mitigados. Essa conciliação foi possível por meio dos planos de estudo que fazia e executava, com disciplina”, afirma.

Devido ao trabalho e os horários incertos, a base de estudo escolhida por Moisés foram as aulas online, livros e pdfs. “Nas aulas online sempre fazia mapas e ou resumos. Sempre utilizei caderno de anotações. Para consolidação do conhecimento, a técnica predominante era resolução de questões. Além disso, a leitura e anotação da legislação seca eram obrigatórias”, revela.

Para controlar a ansiedade, ele sempre buscou acionar o “botão da autoconfiança”, mas também, antes de tudo, faz um planejamento de como será o período da prova para ter um melhor controle do tempo.

Em todo esse processo, a cada reprovação, sobretudo, e aprovação, ele avaliava erros e acertos. Segundo Moisés, seus principais erros foram: plano ou falta de plano; desvio de foco; resolver poucas questões da banca; desconhecer as bancas e suas formas de cobrança; material sem ou com má procedência; negligência do preparo físico para a prova.

“Sempre acreditei que quem estuda passa. Nesse sentido, continuarei estudando”.

 

Você também tem uma história inspiradora para nos contar? Envie um e-mail para eusou@cers.com.br.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *